Viaçoes rodoviarias são obrigadas a apontar idade em Brasília

 

Viações rodoviárias Brasília

Viaçoes rodoviarias do Distrito Federal agora precisam revelar a idade máxima de vida útil de cada um dos seus ônibus. De acordo com o novo decreto publicado na segunda-feira, no dia 8 de julho, no Diário Oficial do Distrito Federal todos os coletivos de viagens que operam em Brasília deverão apresentar placas com indicação da data limite que cada veículo poderá chegar. A informação de responsabilidade das auto frotas deve ficar em um local visível para todos os passageiros. A média de idade imposta para os expressos brasileiros é de até sete anos de circulação, porém no Distrito Federal a realidade é outra. Lá os ônibus são aproveitados até nove anos.

Os modelos mais antigos e mais usados do País são os transportes intermunicipais que abastecem a região do ABC Paulista, mais precisamente na área cinco da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos. É provável que a diferença entre a utilização dos coletivos de viagens do ABC Paulista e do Distrito Federal só aumente com a licitação feita na capital do Brasil. O processo encabeçado pela prefeitura de Brasília diminui a idade funcional das frotas, altera os serviços de transporte e reduz o agrupamento de todas as operações do setor. Mesmo com a média de idade acima, o decreto já começa trazer benefícios para os usuários do serviço rodoviário.

Cinco companhias de ônibus foram licitadas e devem renovar a frota. Apenas a soma de duas delas é correspondente à vinda de mais de mil novos ônibus. Segundo o governo estadual, a expectativa é que o número de veículos zero quilômetro ultrapassem os três mil exemplares. A viação São José e a companhia Pioneira são duas das ganhadoras dos lotes de operação. Em São Paulo a realização da licitação para renovação das frotas ainda é um problema. Apesar de a Grande São Paulo estar licitada com vencimento de contratações para 2016, no ABC Paulista a realidade é mais distante. A necessidade de novas operações é tão irrevogável que até a EMTU garantiu que abriria nova licitação no começo de 2013. A mudança moderniza o setor e melhora a qualidade do serviço.