Brasil Sul compra 50% das ações da viação Garcia

Fusão Operacional é milionária.

Fusão Operacional é milionária.

A companhia de ônibus Brasil Sul Linhas Rodoviárias, com atuação em diversos estados brasileiros, comprou parte do controle acionário da viação Garcia. A negociação foi confirmada há dois meses e deve impactar nos serviços rodoviários disponibilizados pelas duas auto viações, principalmente no estado do Paraná, de onde há o maior número de linhas rodoviárias em atuação. Comandada inicialmente através dos investimentos dos espanhóis Celso Garcia Cid e José Garcia Villar, a companhia Garcia foi comercializada pela primeira vez, em 2010, quando se integrou aos negócios milionários das empresas Ouro Branco e viação Princesa do Ivaí. Ambas são controladas pelo empresário gaúcho, Mário Luft, fundador do grupo Luft, que desembolsou uma quantia de nada mais, nada menos do que R$ 400 milhões para ter em seu grupo, uma das cinco maiores empresas de transporte rodoviário do Brasil.

Apesar da compra ter sido confirmada por ambas as empresas, o valor da transação não ainda não foi divulgado. Considerada uma das empresas mais tradicionais de Londrina, a viação Garcia foi fundada em 1934 e viu a cidade paranaense crescer enquanto a frota sua frota era ampliada e passava a atender diversas localidades do Brasil. Hoje é uma das primeiras companhias em operação em Londrina e Curitiba, ocupando uma cobiçada posição entre mais bem sucedidas auto viações do país. Com a integração, o grupo comandado pela Brasil Sul poderá oferecer rotas rodoviárias entre o Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro, em um hall de linhas interestaduais, com atuação em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Em nota oficial, as companhias de ônibus disseram que a compra inicial foi destinada a 49,9% do controle acionário ao Grupo Brasil Sul. O restante da aquisição ainda deve acontecer assim que as autorizações dos órgãos concedentes das linhas intermunicipais e interestaduais forem liberadas. “A troca de experiências entre as empresas, colocando toda a tradição da Garcia com a modernidade da Brasil Sul, refletirá diretamente na qualidade operacional do serviço prestado ao nosso passageiro”, afirma um dos proprietários. As empresas continuam trabalhando com seus respectivos nomes, apenas operando com a uma fusão operacional.