JSL Logística pede reintegração de 170 ônibus à viação Kaissara

viacao-itapemerimA viação Kaissara terá de devolver os 170 ônibus rodoviários que foram alugados da JSL Logística. A reintegração de posse foi determinada pela juíza Adriana Bertier Benedito, da 36ª Vara Cível – Foro Central Cível de São Paulo, no dia 18 de maio. Com a decisão na justiça, a JSL Logística espera recuperar os veículos prestados a maior parte a companhia Itapemirim, no ano passado, para operação em linhas interestaduais. A juíza proibiu que a reintegração ocorresse enquanto os ônibus estiverem transportando pessoas. A JSL alegou na ação não receber os alugueis dos ônibus na data prevista, e ainda revelou que a companhia Kaissara estava atrasando impostos estaduais referentes aos veículos, o que poderia ocasionar em restrições para obtenção de linhas de crédito e financiamento de equipamentos voltados ao setor. Poderá haver intervenção policial, caso a reintegração não seja amigável.

Viação Itapemirim está em recuperação judicial

A Justiça do Espírito Santo aceitou o pedido de recuperação judicial da Itapemirim no dia 18 de março. A viação teve 60 dias para apresentar um plano de recuperação, com risco de falir, caso isso não acontecesse. Agora aguarda manifestação dos credores para continuar com a concessão de 50 linhas interestaduais, que ainda lhe restam. O processo foi protocolado dia 7 de março, na 13º Vara Cível Especializada Empresarial de Vitória, e integra as empresas Viação Itapemirim, Transportadora Itapemirim, ITA – Itapemirim Transportes, Imobiliária Bianca, Cola Comercial e Distribuidora e Flecha Turismo Comércio e Indústria.

Crise rodoviária

Contrária a própria decisão, a empresa do Espírito Santo decidiu procurar a justiça ao ver suas dívidas multiplicarem com a atual conjuntura economia vivida pelo país. Fundada pelo empresário Camilo Cola, em 1953, a Itapemirim é considerada a maior e mais antiga empresa de transporte rodoviário do Brasil. Diante dos reflexos negativos da crise, a companhia transferiu mais da metade de suas linhas rodoviárias à viação Kaissara, além de vender pelo menos 40% de sua frota, no ano passado. Atualmente, a empresa só tem 43% da operação de mercado em que operava antes da venda.

Justiça do ES pode decretar falência à viação Itapemirim

viação ItapemirimA Justiça do Espírito Santo deu prazo de dois meses a viação Itapemirim para apresentar um plano de recuperação judicial sobe as dívidas que tem. Fazem parte do processo protocolado no dia 7 de março, as empresas Viação Itapemirim, Transportadora Itapemirim, ITA – Itapemirim Transportes, Imobiliária Bianca, Cola Comercial e Distribuidora e Flecha Turismo Comércio e Indústria. Se a companhia de ônibus mais antiga do Brasil não apresentar o documento dentro do prazo ou tiver reprova do plano por parte de seus credores, o juiz da 13º Vara Cível Especializada Empresarial de Vitória poderá decretar falência da empresa.

O prazo para que os credores possam se manifestar e aprovar o plano é de 180 dias. Segundo a auto viação, o prazo estipulado será suficiente para elaborar o plano de recuperação que a empresa precisa para convencer os credores a seguir com as cobranças em frente. O pedido de recuperação judicial comprova que a empresa fundada por Camilo Cola, em 1953, não tem recursos próprios suficientes para quitar suas dividas, já que o Brasil tanto quanto o modal rodoviário do país estão enfrentando uma crise financeira muito instável para ampliação dos empreendimentos. Já com problemas financeiros, no meio do ano passado a Itapemirim abriu mão de 40% de seus veículos e transferiu pelo menos metade de suas linhas em operação para a companhia de ônibus Kaissara.

Com a fusão aprovada pela ANTT, a companhia Itapemirim deixou de operar em 68 rotas das 118 que tinha direito. Com apenas 50 linhas rodoviárias em atuação, a viação passou a trabalhar com apenas 43% de sua capacidade de venda e operação. Com a queda no volume de passageiros, entre os últimos cinco anos, a companhia Itapemirim não foi capaz de suportar a inflação que encareceu o preço dos pneus, combustível, pedágio e das manutenções periódicas em sua frota. Para o diretor de operações da empresa, a falta de reajuste no preço das viagens de ônibus interestaduais e a expansão das políticas de gratuidades (estudantes, idosos) também prejudicou as finanças de uma das maiores empresas de transporte rodoviário do Brasil.

Viação Kaissara e Gontijo atendem a maioria das linhas em BH

viação KaissaraMais da metade das 75 mil pessoas que passaram pelo terminal rodoviário de Belo Horizonte durante o Ano Novo utilizaram os serviços das viações Kaissara e Gontijo. Ambas são responsáveis por mais de 50% das linhas interestaduais com saídas da Estação de Integração José Cândido. O local integra as viagens rodoviárias com destino ao Nordeste, ao Espírito Santo e às cidades de Belém, Brasília, Campos dos Goytacazes (RJ), São João da Barra (RJ), entre outras.  Só a companhia Gontijo oferece passagens de ônibus para Natal, Recife, Salvador, Vitória da Conquista, Porto Seguro, Vitória, Fortaleza, Conceição da Barra, Guarapari, Nova Almeida, Mossoró, Anchieta, Ilhéus, Marataízes, Prado e Eunápolis. A empresa rodoviária pertencente ao mesmo grupo da viação São Geraldo, tem concorrência da viação Kaissara, nos trechos até a capital do Rio Grande do Norte, Recife, Guarapari e Nova Almeida.

Além de disputar alguns trechos com outras empresas como: Itapemirim, Penha União, Nacional e Águia Branca. Já a viação Kaissara atende nove municípios da região Nordeste, sendo que apenas as cidades de Mossoró, São João da Barra e Campos dos Goytacazes não possuem concorrência. A companhia Águia Branca apenas atende o município de Conceição da Barra, enquanto que a Penha compete entre linhas de Vitória e Brasília. A viação Nacional atende Salvador e a viação Itapemirim, ainda é vista no rodoviária de Belo Horizonte em trajetos de Belém, Recife e Natal. A Estação de Integração José Cândido da Silveira fica na Rua Gustavo da Silveira, 1.820 (próximo à Avenida José Cândido da Silveira), bairro Santa Inês. Segundo levantamento da BHTrans, a preferência dos mineiros não está em cidades do próprio Estado. Os destinos mais procurados por passageiros durante os feriados prolongados se dividem entre o litoral carioca, grandes centros em Espírito Santo e cidades turísticas espalhadas pelo Nordeste.

Ônibus
As linhas que param na Estação José Cândido da Silveira são: 821, 822, 823 e 9550. As que param na Avenida José Cândido da Silveira (a 300 metros da Estação) correspondem as: 3501A, 3501B, 5502A, 5502B, 5502C, 5503A, 5503B, 5523A e S50. As linhas Metropolitanas são: 4600, 4620, 4625 e 4665.

Viação Pluma transfere linhas rodoviárias para Catarinense

Linhas transferidas não são mais novidade no Brasil.

Linhas transferidas não são mais novidade no Brasil.

Passagem de ônibus de Curitiba até a cidade de Assunção no Paraguai, ou do Rio de Janeiro até Buenos Aires deixaram de ser comercializadas pela viação Pluma, desde o segundo semestre deste ano. Essas e outras linhas importantes para dentro e fora do Brasil foram transferidas da companhia de ônibus fundada no Paraná para outras duas auto viações. Em documento publicado no dia 22 de junho de 2015, a ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres concedeu a transferências de rotas para a viação Catarinense e a JBL Turismo, por meio de duas resoluções.  Há um tempo, a viação Expresso Nordeste também havia recebido o direito de operar em linhas com atuação em embarques pelo Sul do Brasil, antes monopolizadas pela companhia Pluma. A auto viação criada em 1966 transferiu as rotas para outras empresas com quadro societário difundido em linhas interestaduais de média ou longa distância, como meio de se livrar da crise. Diferente do que aconteceu com a viação Itapemirim no primeiro semestre deste ano. A empresa considerada a mais antiga do Brasil transferiu 68 linhas para a parceira de operação, a viação Kaissara, também do Espirito Santo. A transação foi motivada por problemas financeiros e dívidas milionárias.

Linhas Transferidas pela  resolução Nº 4.761:
Rio de Janeiro (RJ) – Buenos Aires (RA), via Foz do Iguaçu (PR), Rio de Janeiro (RJ) – Santiago (CL), São Paulo (SP) – Buenos Aires (RA), via Porto Alegre (RS), Uruguaiana (RS) – São Paulo (SP), e Balneário Camboriú (SC) – Buenos Aires (RA).

Linhas Transferidas pela resolução Nº 4.762:
Curitiba (PR) – Porto Alegre (RS), via BR-101, Curitiba (PR) – Santa Maria (RS), via U. da Vitória, Curitiba (PR) – Santa Maria (RS), via Lages (SC), Curitiba (PR) – Criciúma (SC),  Curitiba (PR) – Asuncion (PY),  Curitiba (PR) – Ijuí (RS), Paranaguá (PR) – Asuncion (PY), Porto Alegre (RS) – Joinville (SC), Porto Alegre (RS) – Balneário Camboriú (SC), Criciúma (SC) – São Paulo (SP), Joinville (SC) – Ijuí (RS), via Barracão, Araranguá (SC) – São Paulo (SP), prefixo nº 16-1332-00, Araranguá (SC) – São Paulo (SP), Araranguá (SC) – Campinas (SP), Florianópolis (SC) – Foz do Iguaçu (PR), Criciúma (SC) – Asuncion (PY).

Conheça a Itapemirim: A maior companhia de ônibus do Brasil

Viação Itapemirim

Viação Itapemirim

A maior e mais antiga companhia de ônibus do Brasil tem nome de cidade: Itapemirim, em homenagem a Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo, foi fundada pelo empresário Camilo Cola, em 1953. Sete anos depois de adquirir um Ford Hércules, com auxilio do Governo Federal, de quem tinha crédito por ter integrado a Força Expedicionária Brasileira, durante a Segunda Guerra Mundial. Com a compra facilitada dos caminhões, Camilo passou a estimular a prática de compra e venda de veículos, enquanto transportava cargas e passageiros. A atividade lhe rendeu dinheiro suficiente para criar a Empresa de Transporte Autos ­ ETA, aquela que seria a maior auto viação do país.

Na época, a frota era composta por apenas um ônibus, que operava no transporte de passageiros entre Castelo e Cachoeiro do Itapemirim. Demorou três anos para que a empresa ampliasse o número de veículos, passando a operar com o nome de viação Itapemirim LTDA, fruto de uma fusão com mais duas empresas rodoviárias. Com o tempo, as linhas foram sendo estendias para o norte do Espírito Santo. Em 1960, a Itapemirim passou a obter a concessão das linhas Brasília – Belo Horizonte e Belo Horizonte – Vitória (ES). Três anos depois já contabilizava 100 ônibus em sua frota. Apesar disso, a auto viação só ganhou renome nacional entre as companhas mais importantes do Brasil, em 1973, quando incorporou os serviços da viação Nossa Senhora da Penha, ampliando a frota para mais de 500 veículos, em menos de um ano.

Nos anos 80, adquiriu as operações da viação Única, importante companhia que operava a linha Rio de Janeiro – São Paulo. Com o controle do eixo rodoviário mais movimentado do Brasil e uma das maiores frotas da país, a Itapemirim tornou-se a maior empresa de transporte rodoviário de passageiros da América Latina. Além de transportar milhares de passageiros em diversas regiões, a companhia também trouxe novidades para o setor rodoviário, chegando a produzir suas próprias carroçarias. A iniciativa contribuiu para o avanço da engenharia automobilística internacional, através do modelo Tribus, que opera sob três eixos. Atualmente, a viação Itapemirim transferiu mais de 50% de suas linhas interestaduais para a viação Kaissara, pertencente ao mesmo grupo rodoviário.

Viação Itapemirim vende 40% da frota e se desfaz de 68 linhas

Crise Financeira atinge setor rodoviário.

Crise Financeira atinge setor rodoviário.

A crise financeira está tornando os dias de uma das maiores empresas rodoviárias do Brasil mais difíceis. Com intenção de salvar um pouco do que restou, a auto viação Itapemirim arriscou vender cerca de 40% dos seus ônibus rodoviários, além de abrir mão da operação de mais da metade de suas linhas interestaduais para outra companhia de ônibus, fundada pelo mesmo empresário, em Cachoeiro de Itapemirim. No total, das 118 linhas rodoviárias da “amarelinha”, 68 foram repassadas para a viação Kaissara, ou seja, 57% da fatia de mercado de atuação monopolizado pela Itapemirim, nas últimas décadas. Entre as linhas mais importantes estão os trajetos entre o eixo rodoviário Rio-São Paulo, além de Cachoeiro de Itapemirim ao Rio, e São Paulo a Curitiba.

Com a diminuição na procura pela compra das passagens rodoviárias, as auto viações brasileiras vêm enfrentando muita dificuldade com o aumento nos custos de operação, originados na compra dos pneus, combustível, pedágio e manutenção, enquanto as gratuidades são expandidas e o reajuste no valor dos bilhetes rodoviários não acompanha as despesas. A companhia Kaissara vai operar com 271 ônibus que eram da Itapemirim, além de assumir todas as obrigações trabalhistas de pelo menos mil funcionários que atuavam nas respectivas linhas transferidas. Numa tentativa de salvar a empresa, a fusão com os serviços da empresa Kaissara ajudariam a atrair novos investidores dispostos a creditar em uma nova marca.

Apesar disso, o chefe de operações da empresa rodoviária afirma que no momento as duas empresas trabalharam individualmente, como se fossem concorrentes. Segundo a Itapemirm, a Kaissara ficará integralmente responsável por regular o cumprimento do contrato vigente, respondendo por todo o passado, após a aquisição de parte significativa das 68 linhas rodoviárias. A transportadora ainda afirma que nenhum trabalhador seja prejudicado com a mudança, que é a migração foi pensada para garantir a manutenção de todos os cobradores e motoristas da Itapemirim, que hoje só atenderá 50 rotas rodoviárias. Apesar de afirmar que o número de linhas concedidas à viação parceria representa apenas 40% da frota da Itapemirim, sindicatos acreditam que a mudança chega a impactar em 80% no montante de veículos dispostos pela viação.