Viação Kaissara e Gontijo atendem a maioria das linhas em BH

viação KaissaraMais da metade das 75 mil pessoas que passaram pelo terminal rodoviário de Belo Horizonte durante o Ano Novo utilizaram os serviços das viações Kaissara e Gontijo. Ambas são responsáveis por mais de 50% das linhas interestaduais com saídas da Estação de Integração José Cândido. O local integra as viagens rodoviárias com destino ao Nordeste, ao Espírito Santo e às cidades de Belém, Brasília, Campos dos Goytacazes (RJ), São João da Barra (RJ), entre outras.  Só a companhia Gontijo oferece passagens de ônibus para Natal, Recife, Salvador, Vitória da Conquista, Porto Seguro, Vitória, Fortaleza, Conceição da Barra, Guarapari, Nova Almeida, Mossoró, Anchieta, Ilhéus, Marataízes, Prado e Eunápolis. A empresa rodoviária pertencente ao mesmo grupo da viação São Geraldo, tem concorrência da viação Kaissara, nos trechos até a capital do Rio Grande do Norte, Recife, Guarapari e Nova Almeida.

Além de disputar alguns trechos com outras empresas como: Itapemirim, Penha União, Nacional e Águia Branca. Já a viação Kaissara atende nove municípios da região Nordeste, sendo que apenas as cidades de Mossoró, São João da Barra e Campos dos Goytacazes não possuem concorrência. A companhia Águia Branca apenas atende o município de Conceição da Barra, enquanto que a Penha compete entre linhas de Vitória e Brasília. A viação Nacional atende Salvador e a viação Itapemirim, ainda é vista no rodoviária de Belo Horizonte em trajetos de Belém, Recife e Natal. A Estação de Integração José Cândido da Silveira fica na Rua Gustavo da Silveira, 1.820 (próximo à Avenida José Cândido da Silveira), bairro Santa Inês. Segundo levantamento da BHTrans, a preferência dos mineiros não está em cidades do próprio Estado. Os destinos mais procurados por passageiros durante os feriados prolongados se dividem entre o litoral carioca, grandes centros em Espírito Santo e cidades turísticas espalhadas pelo Nordeste.

Ônibus
As linhas que param na Estação José Cândido da Silveira são: 821, 822, 823 e 9550. As que param na Avenida José Cândido da Silveira (a 300 metros da Estação) correspondem as: 3501A, 3501B, 5502A, 5502B, 5502C, 5503A, 5503B, 5523A e S50. As linhas Metropolitanas são: 4600, 4620, 4625 e 4665.

Atraso em viagem da viação Itapemirim gera indenização

Viação Itapemirim foi condenado por atraso.

Viação Itapemirim foi condenado por atraso.

A viação Itapemirim foi condenada pela juíza do 7º Juizado Especial Cível de Brasília a pagar a um passageiro valor a título de indenização por danos morais. Segundo consta na sentença, a auto viação teria atrasado mais de cinco horas na chegada ao destino, prejudicando o compromisso que o usuário teria em Belo Horizonte. O passageiro embarcou em um ônibus da Itapemirim do terminal rodoviário de Brasília com destino a capital de Minas Ferais para participar da XXX Edição dos Jogos Acadêmicos de Policiais e Bombeiros Militares do Brasil. Para azar do participante e da própria empresa de ônibus, o veículo apresentou falha mecânica e só desembarcou na rodoviária de Belo Horizonte mais de cinco horas depois do previsto.

Com o atraso, o passageiro não chegou ao evento a tempo e teve sua participação cancelada. Livre para apresentar sua contestação de defesa, em um prazo determinado, a companhia rodoviária Itapemirim, se calou, dando veracidade aos fatos apresentados pelo cliente. Para o juiz, os problemas apresentados na operação do veículo, que ocasionaram no longo atraso até o desembarque programado, frustrou a expectativa do consumidor de obter a prestação de serviço conforme previsão inserta no contrato de transporte. É por isso, que ficou evidenciada a falha na prestação de serviços e o passageiro deverá ser indenizado, segundo artigo 14 do CDC – Código de Defesa do Consumidor. Segundo o artigo, o correto é ressarcir o passageiro pelos prejuízos por ele sofridos.

O processo também se apega no fato de que, conforme foi percebido o problema, durante a viagem rodoviária, há medida em que o atraso ia aumentando, o passageiro passou a sentir ansiedade, angústias, inseguranças, aflição e desconforto que ultrapassam a esfera da normalidade, atingindo os direitos de personalidade do autor, razão pela qual a condenação da requerida a reparar o dano moral por ele sofrido é medida que se impõe. Diante dos fatos, a empresa rodoviária deverá pagar uma boa quantia imposta por lei. Se a moda pegar, essa e outras companhias de ônibus podem ter problemas, já que falhas mecânicas são comuns quando se opera em linhas interestaduais de longa distância.