Empresas rodoviárias de Brasília entregam mais 80 ônibus

Empresas rodoviárias de Brasília

Empresas rodoviárias vencedoras da licitação dos transportes do Governo do Distrito Federal, no lote de número dois, acabam de entregar ao município de Brasília, 80 ônibus zero km. A entrega dos veículos aconteceu em uma quarta-feira, no dia 28 de março e veio ampliar a frota municipal responsável pelo atendimento a 28 linhas nos arredores da região do São Sebastião. A licitação conquistada pela companhia de ônibus brasiliense é referente a operação no Lago Sul, Jardim Botânico, Candangolândia, Santa Maria, Gama, Park Way, Itapoã e Paranaguá. Todos esses bairros deverão ser beneficiados com a renovação das frotas de suas empresas de transporte público.

Além dos veículos fornecidos pela viação Pioneira, mais 40 unidades dos coletivos de viagens já circulam desde julho em Itapoã e Paranaguá. Os novos veículos públicos disponíveis desde março possuem uma novidade importante. Todos respeitam as normas de combate à poluição impostas pelo Euro V e por isso são considerados os modelos mais atuais do mercado. A carroceria é fabricada pela Comil, modelo Svelto, chassi Mercedes Benz OF 1721 Euro V, e oferece muita comodidade, conforto e acesso aos passageiros com mobilidade reduzida. A empresa Comil, responsável pelas carrocerias dos ônibus, já vendeu mais de 450 ônibus rodoviários à companhia do Distrito Federal. Do total de coletivos comercializados, 397 são do modelo convencional e 69 são micros, do modelo Piá.

Mesmo com o investimento por parte da empresa concessionária, O Ministério Público está investigando as ações e analisando as condições que levaram a viação Pioneira e a viação Piracicabana, detentora das demais linhas do lote um, a saírem vitoriosas na licitação do Estado. Mesmo sendo independentes e não responderem ao mesmo grupo empresarial, as duas companhias são gerenciadas por familiares e pessoas próximas a Constantino de Oliveira, o fundador da Gol Linhas Aéreas e por isso deram margem a investigação. Se a apuração do Ministério Público apontar que as duas companhias de ônibus contrastaram com o que é previsto pelo edital de licitação é possível que ambas percam o direito de operar em Brasília, mesmo não tendo ligação entre suas administrações.