Empresa de ônibus – Ônibus Brasil e a política

Empresas de ônibus do Brasil

Sindicatos e empresas de onibus – onibus brasil apontam questionamentos sobre até que ponto rígidas regras impostas pelos órgãos licitatórios podem influenciar positivamente no desempenho e qualidade dos serviços rodoviários. Devido à forte imposição dos meios de comunicação em relatos de acidentes e problemas de infraestrutura relacionados ao transporte coletivos, prefeituras de grandes cidades como é o caso de São Paulo e Rio de Janeiro querem fazem vista grossa na fiscalização e determinação das regras sobre as companhias de ônibus e seus motoristas. No Rio já funciona um novo documento com novas normas para serem seguidas por estes profissionais. Segundo relatos de companhias de transporte algumas dessas novas medidas são muito severas e não aparentam ter o objetivo focado em melhorias.

Um desses casos é a demissão estabelecida para motoristas que avançar o sinal vermelho por três vezes. O problema é que além da demissão, a norma impede que ele busque emprego em outra empresa de ônibus. Além de não respeitarem a parada no semáforo, as infrações mais cometidas pelos motoristas no Rio de Janeiro são aquelas que estão ligadas ao rendimento nas viagens coletivas, como não parar em um ponto de embarque e desembarque e ainda falar no celular enquanto está na direção. Os sindicatos e as companhias de ônibus não são contrários à demissão do profissional que for flagrado cometendo as irregularidades, mas sim que a aplicação da medida deva acontecer apenas depois da conclusão dos cursos de reciclagem e aperfeiçoamento profissional.

A prefeitura contesta. Segundo ela não é necessário nenhuma orientação para saber que é proibido avançar no sinal vermelho. A fiscalização vai funcionar através de um cadastro de registro com os dados do tal motorista infrator. O estranho é que a prefeitura incumbiu às próprias empresas de ônibus de anotar quem de seus motoristas está avançando o sinal. Para a Secretaria de Transporte do Estado do Rio de Janeiro esses motoristas não tem condições de circular com os ônibus porque coloca em risco a vida de centenas de pessoas. As auto viações protestam mais garantem que cumprirão o acordo. Agora resta saber se as empresas realmente apontaram os nomes de quem está infringindo a lei e veremos os culpados serem punidos.