Empregados da viação Andorinha fazem protesto no Rio

Expresso Guanabara e outras companhia de ônibus estão investindo em novos veículos para viagens interestaduais.

Funcionários cobram direitos trabalhistas da Andorinha.

Mais de 200 empregados da viação Andorinha cruzaram os braços em protesto contra salários atrasados e outras reivindicações trabalhistas, no dia 3 de outubro, em frente à garagem da empresa rodoviária, localizada em Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O grupo impediu a passagem dos veículos no local, logo pela manhã. Até o momento, nenhum ônibus da Andorinha havia circulado na capital carioca, e não havia registros de confusão no local. Sozinha, a viação Andorinha é capaz de integrar pelo menos 15 linhas rodoviárias com atuação em importantes bairros da cidade, como na Zona Oeste e Subúrbio da cidade. As linhas de ônibus onde se concentra o maior número de passageiros são atendidas pela companhia rodoviária nas paradas 391 (Padre Miguel – Carioca), 745 (Bangu – Cascadura), 746 (Jabour – Cascadura), 790 (Campo Grande – Cascadura) e 820 (Campo Grande – Bangu).

Sem saber do ocorrido, o secretário de transportes Alexandre Sansão só ficou sabendo da paralisação depois de ser informado por meio da Rio Ônibus. O sindicato que representa os quatro consórcios, que somam as 43 empresas em circulação na cidade, executou um plano B para minimizar os prejuízos causados pela interrupção das viagens rodoviárias da Andorinha. No dia da parada, como plano emergencial, linhas alternativas foram acionadas para atender a população. O consórcio responsável pelas ações da auto viações admitiu que a empresa não vem passando por um bom momento financeiramente, depois que teve de competir com o transporte rodoviário da Zona Oeste. Mesmo assim, representantes da Andorinha disseram que nenhum funcionário presente foi capaz de esclarecer ao certo, os motivos do protesto.

Os trens que circulam pela Supervia, em intervalos regulares, foram as melhores opções para quem precisou sair da Zona Oeste em direção ao Centro da capital. Há cinco meses, outras três paralisações de companhias rodoviárias prejudicaram a rotina de inúmeros moradores. Na ocasião, a greve chegou a interromper a circulação de 60% da frota municipal. Com atuação do sindicato, apenas 10% do dano causado era controlado. E o pior, dados das concessionárias também mostraram que 700 coletivos foram depredados neste período.

Viaje até o Porto de Santos a bordo da viação Cometa

Cometa leva passageiros até Porto de Santos.

Cometa leva passageiros até Porto de Santos.

A viação Cometa está dando uma forcinha especial para aqueles que precisam chegar até o Porto de Santos, para realizar um cruzeiro de navios pelo litoral paulista.
Desde novembro do ano passado, a companhia de ônibus, considerada uma das mais tradicionais do Brasil e líder de venda de passagens de ônibus em linhas na região sudeste do país, está deixando a concorrência para trás com este novidade.
Tanto para quem chega até a capital de ônibus como para aqueles que desembarcam em São Paulo através do Aeroporto de Congonhas pode contratar o serviço rodoviário da empresa.
A intensão é transportar passageiros que moram na capital do Estado ou que desembarcam até a cidade e querem realizar uma viagem com saída do porto considerado o mais movimentado de toda a América Latina.

Os embarques realizados direto do terminal rodoviário de Jabaquara começam a partir das 8 horas da manhã e valem até às 10h45. Já para as saídas do aeroporto de São Paulo, os veículos partem, sempre às 11 horas.
As datas disponíveis para quem pretende utilizar o serviço da Cometa ainda neste mês, valem para os dias 16, 17, 19, 20, 21, 23, 24, 25, 27, 28, 29 e 31 de março.
No mês que vem, a companhia rodoviária deve oferecer as viagens nos dias 02, 04, 06, 10, 11, 14, 18 e 25 de abril.
Além de apostar na nova linha rodoviária, a Cometa também está se destacando pelas poltronas de maior inclinação apresentadas nos novos veículos que compõem a frota.

A novidade acompanha os modelos Executivo e Leito e dão mais espaço para que o passageiro possa relaxar durante os trajetos. Tanto as poltronas, como os encostos para os pés possuem nível de inclinação elevado.
O mais espaçoso da categoria é o Leito, onde esta incluído o uso de travesseiro e manta para viagens durante a noite.
Se a ideia é reservar a passagem da Cometa sem sair de casa, é preciso utilizar o próprio site da companhia para garantir o transporte.
Já no site Quero Passagem, que vende passagens de ônibus dessa e outras 29 auto viações, a opção para chegar ao Porto de Santos é embarcar em um veículo da viação Expresso Luxo.

Terminais são liberados e companhias de ônibus voltam a operar

ônibus rodoviários operam novamente

Companhias de ônibus que operam nos terminais Parque Dom Pedro II e Bandeira, na Capital do Estado Paulista, estão liberados para transportar passageiros do transporte público depois do espaço ser tomado por manifestantes, há mais de 2 meses. O grupo formado por estudantes e moradores da região passou pelo local em direção a Câmara Municipal e a Prefeitura de São Paulo, usando o acesso dos viadutos Chá e Jacareí. Informações fornecidas pela SPTrans, uma empresa do setor rodoviário que cuida das operações de ônibus da cidade apontam que a aglomeração das pessoas surgiu em uma das alas da rodoviária, onde está instalada a sede do Sindimotoristas –  Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus da capital.

Por causa do acontecido, pouco mais de 70 linhas precisaram mudar o trajeto para atender a população. Parte do percurso foi desviado e as empresas de transporte acabaram pegando aproximadamente três quilômetros de congestionamento. Na rodoviária Sacomã, a empresa de ônibus responsável pela maioria das linhas, a Expresso Tiradentes, suspendeu as viagens. O local não dava aos motoristas alternativas para realizar o embarque. Aos poucos, os manifestantes foram se dispersando e o ritmo voltou ao normal. Entre as reivindicações que motivou os protestos, está à mudança da lei 13.207, para que a presença do cobrador nos expressos seja obrigatória. Protestantes apresentaram um abaixo-assinado para os vereadores e pediram mais rigor e modificações nas investigações da CPI dos Transportes, no Sindicado dos Motoristas.

Apesar do movimento se concentrar nas rodoviárias, a SPTrans não acredita que o local seja o alvo principal pelas manifestações. Pela manhã, um pequeno grupo de opositores ao governo tumultuou os arredores do terminal rodoviário Parque Dom Pedro usando carros de som para proibir a passagem dos trabalhadores do sindicato induzindo-os ao protesto livre. Em nota oficial a imprensa, o Sindimotoristas não se mostrou favorável ao acontecimento. Segundo a entidade, o grupo foi oportunista ao se aproveitar dos funcionários para realizar manobrar que não é permitida pelo Estatuto e apenas privilegia o interesse de uma minoria. Nos próximos dias a sede do Sindicato vai eleger a nova diretoria.

Empresas de onibus em sp aguardam novo leilão da ANTT

Empresas de transporte de sp leilão ANTT

Empresas de onibus em sp e de outros estados do Brasil aguardam ansiosas o novo leilão com a licitação das linhas de ônibus interestaduais fornecida pela ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres. A empresa anunciou recentemente a primeira rodada de licitação para este tipo de modal. É a promessa de preços mais baratos para os passageiros e garantia de melhorias nos serviços prestados pelas companhias rodoviárias que circulam por todos os estados brasileiros. Ao contrário do que acontece corriqueiramente nos leilões, a auto frotas campeã deverá apresentar o menor preço em suas tarifas, ficando assim, em primeiro lugar para escolher as linhas desejadas.

As mudanças na licitação beneficiam diretamente os usuários. Uma das vantagens mais importantes é a cobrança por melhores serviços e também a qualidade. Hoje as empresas de ônibus interestadual operam com autorizações especiais antigas e com algumas irregularidades, que muitas vezes passam pela fiscalização e atrasam as benfeitorias investidas no setor. As companhias de ônibus transportam 54 milhões de passageiros por ano em viagens interestaduais, e atualmente, têm autorizações especiais para circular. Se quiserem continuar, terão que vencer o processo de licitação, onde deverá ser aprovado o plano de novas linhas, valores de passagens e principalmente qualidade e infraestrutura dos ônibus que estão atualmente em circulação. Hoje são 250 companhias no mercado, porém com a nova licitação serão vencedoras no máximo 54. Os contratos serão de 15 anos, sem prorrogação.

Das 2.110 linhas em circulação pelas cidades estão às viagens com rotas de São Paulo-Rio de Janeiro, Recife-João Pessoa, e Brasília – Goiânia consideradas as mais procuradas e disputadas no setor rodoviário. A ideia é de que sejam incluídos 935 novos trechos por todo país, e que pequenas companhias de transporte, que enfrentam problemas estruturais, saiam de circulação. Outra regra que deverá ser seguida é a de que ônibus deverão ter idade média de cinco anos, e que os motoristas recebam curso de qualificação para ocupar o cargo. As exigências devem fazer a diferença na qualidade da prestação dos serviços mesmo com os preços mais baixos do que os últimos anos.

 

Prefeitura quer baixar lucros das viaçoes rodoviarias em SP

 Baixas lucros auto viações

Se depender da prefeitura de São Paulo o lucro das viaçoes rodoviarias que operam na maior cidade do país vai ser menor. De acordo com o prefeito Fernando Haddad, o fim de alguns contratos com companhias de ônibus reacendeu a chance de rever tarifas e negociar novos lucros gerados em comissões. A ideia é promover o debate para que os acordos se tornem possíveis. Até o momento, empresários que administram frotas de veículos públicos estão lucrando pouco mais do que 7% em toda a arrecadação mensal. Apesar disso quando é realizadas melhorias nos ônibus o valor desses lucros chega dobrar.

Foi por causa das manifestações nas ruas e os protestos contra o aumento nas passagens de ônibus e melhores condições nos serviços de transporte público que a prefeitura preferiu cancelar a licitação das empresas de ônibus e das cooperativas. Os contratos somam R$ 46,4 bilhões e correspondem a dez anos de atividade para as cooperativas e outros quinze destinados as companhias de transporte rodoviário. A renovação do contrato para este tipo de categoria que já dura desde ultima década é o que motivou a negociação. Na época a situação do Brasil se encontrava em um ambiente mais favorável.

Segundo Haddad a justificativa para rever os lucros exigidos pelas empresas de ônibus está na taxa de juros cobrada há dez anos. “Na época que o contrato foi assinado era uma época que a taxa de juros estava na casa de 25%. Essa realidade mudou então não podemos aceitar uma taxa de retorno igual aquela do inicio do contrato”, falou em coletiva. Junto com os juros, o número de passageiros e usuários do serviço de transporte público também subiu registrando aumento de 16%. Antes eram 2,5 bilhões de passageiros, agora são 2,9 bilhões todos os anos. A construção de estações de metrô na linha 4 Amarela, sentido Butantã e Luz diminuiu a procura por ônibus entre os anos de 2011 a 2012 em 0,81%. Até agora o prazo para realizar nova licitação está indefinido tão quanto os novos valores que serão negociados como lucro das empresas de coletivos de viagens.

Viaçoes rodoviarias querem baixar a tarifa de ônibus

Tarifas menores passagens de ônibus

Empresários de viaçoes rodoviarias de São Paulo se reúnem no final desta semana para pedir ao governo de Dilma Rousseff a diminuição no valor cobrado pelo óleo diesel como subsídio para reduzir o preço das tarifas dos ônibus. Enquanto as manifestações forçam os governos a cederem às reduções, as companhias também se mexem. De acordo com o presidente da ATP – Associação dos Transportadores de Passageiros de São Paulo, Enio Roberto dos Reis, mais duas medidas serão apresentadas para auxiliar na diminuição dos valores. Entre elas estão: corte nas cobranças de encargos sociais da folha de pagamento da empresas. Eles não querem mexer no salário de seus funcionários, mas sugerem que os impostos possam ser menores.

A diminuição do ICMS cobrado no chassi e na carroceria dos coletivos de viagens é a alternativa proposta pelas associação dos transportes. As ideias deveram ser debatidas no Seminário Nacional 2013 — Mobilidade Sustentável Urbana para um Brasil Competitivo, por Enio Reis. Se as empresas conseguirem o que estão pedindo além de custear as despesas que tem com as peças e os equipamentos dos coletivos, praticamente compensará os valores perdidos com a diminuição das passagens. Aproximadamente 90% do prejuízo deve ser sanado. Na visão da ATP, a capital do Estado de São Paulo é uma das cidades que mais promove benefícios no transporte brasileiro.

Segundo dados da associação, 33% de todos os usuários das companhias de transporte associadas não pagam nada pela passagem. Só as meia passagens fornecidas aos estudantes representa uma perda de R$ 4,3 milhões por mês. O embarque de passageiros com idades acima dos 60 anos e pessoas mais carentes que comprovam rende de até três salários mínimos também pesam para as companhias. Os carteiros também é outra categoria que está isenta das tarifas, mas que por outro lado não contribui com os custos de operação do transporte rodoviário. Em Porto Alegre, as tarifas de ônibus são uma das mais caras do Brasil e é por isso que o Ministério Público de Contas quer investigar qual é o lucro líquido das empresas. As empresas de ônibus informam que o lucro está no total previsto, nos valores de 6,33% da tarifa, porém dados do Tribunal de Contas do Estado apontaram dados de até 19% de lucros para algumas operadoras do Sul.

 

Sorocaba recebe 40 novos ônibus da viaçao cometa passagens

Novos ônibus rodoviários em Sorocaba

A viação cometa passagens vai colocar a disposição de seus passageiros mais 40 novos ônibus para atender as linhas de Sorocaba, no interior do Estado de São Paulo. O acordo firmado entre a companhia de transporte público e o prefeito de Sorocaba Antônio Carlos Pannunzio foi anunciado oficialmente no dia 6 junho de 2013. O percurso onde a nova frota irá operar é responsável pela ligação de todas as viagens rodoviários do município de Sorocaba com a capital do Estado. Os coletivos zero quilômetro possuem o chassi Mercedes Benz O 500 e a carroceria da Marcopolo Paradiso. Durante a assinatura dos novos veículos feita pelo diretor da Cometa, Anuar Escovedo Helayel, o prefeito e demais políticos de Sorocaba, novas propostas de operação foram discutidas e abordadas entre as entidades.

Uma das razões que fizeram com que a viação Cometa aumentasse o seu quadro de coletivos na cidade está ligada com a preocupação dos transportes clandestinos que tentam circular na cidade sem autorização. A empresa de ônibus pediu que a prefeitura redobre sua capacidade para fiscalizar o setor rodoviário, e juntos passam aprimorar ações no combate a este tipo de manobra ilegal. O parlamentar de Sorocaba, Muri de Brigadeiro requereu a Antônio Carlos Pannunzio e aos responsáveis pela companhias de ônibus Cometa a instalação de um local específico para que sejam comercializas as passagens rodoviárias no Terminal Santo Antônio. Brigadeiro quer que haja um ponto de venda com intuito de facilitar e agilizar o deslocamento de quem mora em outros bairros e precisa viajar até São Paulo.

Para a construção de este local sair do papel vai depender da posição da justiça. O prefeito do município paulista prometeu que vai checar a viabilidade jurídica envolvente. Com aumento do numero de ônibus e esperado que a qualidade nas viagens melhore. A prefeitura entende que o beneficio traga mais agilidade e maior público para as linhas intermunicipais. Segundo dados das companhias de transporte, a linha que cobre as viagens entre Sorocaba e São Paulo é um dos caminhos mais rodados pela Auto Viação Cometa desde que iniciou suas operações. Coincidentemente é uma das viagens que mais dá lucro para a companhia.

Funcionários de empresa de ônibus em são paulo terão banheiros

 Banheiros para funcionários empresa de ônibus em SP

Agora quem trabalha em empresa de ônibus em são paulo terá direito a uso de serviços básicos em todos os pontos de acesso final dos veículos públicos instalados no município paulista. Uma nova lei publicada no Diário Oficial de São Paulo obriga todas as companhias de ônibus da capital a oferecerem em todos os pontos com destino finais onde não houver terminais rodoviários uma série de serviços como banheiros, água potável e também acomodações e abrigos para os profissionais terem um local para se protegerem do mal tempo enquanto esperam os itinerários e linhas até chegar o próximo embarque. A medida beneficia motoristas, cobradores, fiscais e todos os funcionários que de alguma forma operam o sistema.

Em vigor, os expressos obrigatoriamente deverão obedecer a lei criada pelo parlamentar “Vavá”. O projeto de lei foi aprovado pela Câmara Municipal de São Paulo e publicado em órgão oficial no dia 4 de junho de 2013. Por hora o uso do espaço para repouso e necessidades básicas não estará disponível para passageiros e usuários que viajarem e desembarcarem nos pontos finais. Segundo a lei do vereador Valdemar Silva, o Vavá dos transportes, em algumas situações, os funcionários e profissionais podem decidir liberar o acesso ao espaço se acharem mais conveniente. As companhias de transporte que operam as linhas rodoviárias de São Paulo são as responsáveis pela aplicação da lei. São elas que devem instalar e presar pela manutenção dos locais.

Empregados de outras modalidades como os mini ônibus, vans e até os ônibus de cooperativas também são incluídos pela exigência da lei. Portanto os últimos pontos de coletivos de viagens de parada para essas categorias também precisam mudar. Com a falta de estrutura fornecida somente nas rodoviárias, hoje a realidade desses pontos de parada final são bem diferentes. A maioria deles não possui banheiro e nem água para saciar a sede de quem para no local. É comum quando os próprios motoristas, cobradores e também os fiscais se abrigam em estacionamentos pagos ou se alongam até chegar a suas casas em casos em que a distância é relativamente próxima ao do ponto de parada.

 

Empresa de ônibus – Ônibus Brasil e a política

Empresas de ônibus do Brasil

Sindicatos e empresas de onibus – onibus brasil apontam questionamentos sobre até que ponto rígidas regras impostas pelos órgãos licitatórios podem influenciar positivamente no desempenho e qualidade dos serviços rodoviários. Devido à forte imposição dos meios de comunicação em relatos de acidentes e problemas de infraestrutura relacionados ao transporte coletivos, prefeituras de grandes cidades como é o caso de São Paulo e Rio de Janeiro querem fazem vista grossa na fiscalização e determinação das regras sobre as companhias de ônibus e seus motoristas. No Rio já funciona um novo documento com novas normas para serem seguidas por estes profissionais. Segundo relatos de companhias de transporte algumas dessas novas medidas são muito severas e não aparentam ter o objetivo focado em melhorias.

Um desses casos é a demissão estabelecida para motoristas que avançar o sinal vermelho por três vezes. O problema é que além da demissão, a norma impede que ele busque emprego em outra empresa de ônibus. Além de não respeitarem a parada no semáforo, as infrações mais cometidas pelos motoristas no Rio de Janeiro são aquelas que estão ligadas ao rendimento nas viagens coletivas, como não parar em um ponto de embarque e desembarque e ainda falar no celular enquanto está na direção. Os sindicatos e as companhias de ônibus não são contrários à demissão do profissional que for flagrado cometendo as irregularidades, mas sim que a aplicação da medida deva acontecer apenas depois da conclusão dos cursos de reciclagem e aperfeiçoamento profissional.

A prefeitura contesta. Segundo ela não é necessário nenhuma orientação para saber que é proibido avançar no sinal vermelho. A fiscalização vai funcionar através de um cadastro de registro com os dados do tal motorista infrator. O estranho é que a prefeitura incumbiu às próprias empresas de ônibus de anotar quem de seus motoristas está avançando o sinal. Para a Secretaria de Transporte do Estado do Rio de Janeiro esses motoristas não tem condições de circular com os ônibus porque coloca em risco a vida de centenas de pessoas. As auto viações protestam mais garantem que cumprirão o acordo. Agora resta saber se as empresas realmente apontaram os nomes de quem está infringindo a lei e veremos os culpados serem punidos.

Ônibus para região de São Paulo tem novas tecnologias

ônibus para viagens rodoviárias

Até junho de 2013 novas tecnologias serão instaladas em ônibus para Mauá, região da Grande São Paulo.  O que os passageiros comemoram são os avanços e as novas ferramentas aplicadas na parte sistemática dos veículos coletivos. As mudanças aconteceram porque uma das companhias de transporte responsável pela travessia em Mauá, a Leblon Transporte de Passageiros firmou uma parceria com outra empresa especializada neste tipo de negócio. Com as duas junta será possível levar informação, prestar serviços com mais qualidade, entreter, e proporcionar uma viagem mais segura e confortável para quem pretender viajar por terra. Segundo a Leblon cerca de 50 de seus ônibus de uma frota com 90 modelos da linha Leblon Transporte já estarão nas ruas com o novo sistema tecnológico totalmente ativado.

Dentro dos coletivos de viagens ficarão disponíveis monitores com 22 polegadas para entreter os passageiros com uma programação única. A ideia é transmitir boletins informativos, dicas sobre o transporte, serviços de utilidade, e outros conteúdos de entretenimento. A Leblon quer aproveitar a programação para inserir propagandas de outros comércios externos enquanto os passageiros assistem o que é transmitido dentro dos ônibus. Quem esta modernizando a linha é a empresa Redeinbus – Mídia em Movimento, especializada em tecnologia para sistemas de mobilidade. Cerca de 15 expressos rodoviários já circulam pela cidade com o sistema de televisores da Redeinbus. No contrato firmado entre as empresas, os mecanismos de segurança dos usuários e dos profissionais também foram questionados, e por isso devem sofrem alterações.

Mais duas câmeras de segurança serão aplicadas em todos os ônibus da empresa licitatória de Mauá. Antes já havia nos veículos urbanos quatro câmeras de monitoramento. Com o aumento das câmeras o controle na entrada e saída dos passageiros ajudará a evitar tumultos e até mesmo assaltos durante as viagens. Cinco câmeras serão instaladas nas portas e uma fica para fora da veículo, no para-brisas para identificar ocorrências de trânsito. No painel do motorista todas as imagens captadas por elas serão observadas pelo condutor através de um monitor. As auto frotas que já possuem esse tipo de dispositivo proporcionam mais segurança na hora de embarcar novos passageiros.