Justiça do ES pode decretar falência à viação Itapemirim

viação ItapemirimA Justiça do Espírito Santo deu prazo de dois meses a viação Itapemirim para apresentar um plano de recuperação judicial sobe as dívidas que tem. Fazem parte do processo protocolado no dia 7 de março, as empresas Viação Itapemirim, Transportadora Itapemirim, ITA – Itapemirim Transportes, Imobiliária Bianca, Cola Comercial e Distribuidora e Flecha Turismo Comércio e Indústria. Se a companhia de ônibus mais antiga do Brasil não apresentar o documento dentro do prazo ou tiver reprova do plano por parte de seus credores, o juiz da 13º Vara Cível Especializada Empresarial de Vitória poderá decretar falência da empresa.

O prazo para que os credores possam se manifestar e aprovar o plano é de 180 dias. Segundo a auto viação, o prazo estipulado será suficiente para elaborar o plano de recuperação que a empresa precisa para convencer os credores a seguir com as cobranças em frente. O pedido de recuperação judicial comprova que a empresa fundada por Camilo Cola, em 1953, não tem recursos próprios suficientes para quitar suas dividas, já que o Brasil tanto quanto o modal rodoviário do país estão enfrentando uma crise financeira muito instável para ampliação dos empreendimentos. Já com problemas financeiros, no meio do ano passado a Itapemirim abriu mão de 40% de seus veículos e transferiu pelo menos metade de suas linhas em operação para a companhia de ônibus Kaissara.

Com a fusão aprovada pela ANTT, a companhia Itapemirim deixou de operar em 68 rotas das 118 que tinha direito. Com apenas 50 linhas rodoviárias em atuação, a viação passou a trabalhar com apenas 43% de sua capacidade de venda e operação. Com a queda no volume de passageiros, entre os últimos cinco anos, a companhia Itapemirim não foi capaz de suportar a inflação que encareceu o preço dos pneus, combustível, pedágio e das manutenções periódicas em sua frota. Para o diretor de operações da empresa, a falta de reajuste no preço das viagens de ônibus interestaduais e a expansão das políticas de gratuidades (estudantes, idosos) também prejudicou as finanças de uma das maiores empresas de transporte rodoviário do Brasil.

Viação 1001 opera com ônibus extras durante a Páscoa

viação 1001O feriado santo comemorado desde a sexta-feira (27) reuniu milhares de pessoas nas rodoviárias de Campos dos Goytacazes e Itaperuna, no Norte e Noroeste Fluminense. Justamente em dois dos terminais rodoviários operados pela viação 1001 – que aproveitou o feriado prolongado para pôr em ação um esquema especial de operação, na última semana de março. Desde a quarta-feira (23), as estações do Shopping Estrada e Roberto Silveira do município de Campos tiveram um reforço na frota municipal da companhia 1001. Foram disponibilizados aos usuários 20 ônibus extras, com partidas para várias cidades cariocas e até a capital.

No total, a auto viação com sede no Rio de Janeiro operou com 203 veículos. Só na quinta, cerca de 80 ônibus saíram de Campos dos Goytacazes, com atendimento a um fluxo rodoviário de mais de sete mil pessoas. Quem se livrou do sofá em pleno feriado preferiu visitar até a capital, abordo de um dos 68 veículos da companhia rodoviária. Deste montante, 11 eram extras. O município de Macaé também foi muito procurado no feriado prolongado de Páscoa, e exigiu da rodoviária de Campos uma manobra para disponibilizar pouco menos de 100 linhas, durante o final de semana.

As viagens de ônibus com destino a Região dos Lagos ocuparam oito unidades extras, em 27 veículos operantes. Nesta época do ano, a procura por destinos do Noroeste carioca tem agradado mais os usuários. Tanto é que a própria 1001 levou para a rodoviária mais de 50 veículos extras para compor mais de 200 linhas rodoviárias, durante a Semana Santa. Os veículos foram responsáveis pelo fluxo de mais de 10 mil passageiros. Na rodoviária de Itaperuna, o trajeto com destino ao Rio de Janeiro, cidades da Região dos Lagos e localidades mais próximas foi realizado através de 150 ônibus equipados com poltronas reclináveis, sanitários e outras regalias.