Viação Util compra 6 ônibus Double Decker para renovar frota

Ônibus Double DeckerA União Transporte Interestadual de Luxo, conhecida como viação Útil adquiriu seis unidades dos luxuosos ônibus Paradiso 1800 Double Decker, montados pela Marcopolo. A compra milionária faz parte de um modelo de gestão aplicado pela companhia para manter a renovação de sua frota de transporte rodoviário, em constante evolução. Os novos modelos asseguram alto padrão de segurança, conforto e sofisticação para quem opera e viaja por longas horas, a bordo do veículo. Para o diretor de operações da Marcopolo, nunca se teve tanta necessidade de se investir em padrão de qualidade e ações que preservem o meio ambiente e priorizem a sustentabilidade. É uma nova era que poderá trazer muitos benefícios à população brasileira e a qualidade de vida de uma forma geral.

Sobre a companhia rodoviária
A Útil é pioneira no que se refere à inovação. A companhia rodoviária com atuação em diversas regiões do Brasil sempre investiu em campanhas ligadas ao meio ambiente, incentivando a preservação dos recursos naturais e valorização da fauna brasileira. Com forte atuação em municípios cariocas, a Útil integra rotas entre os estados do Sudeste, como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, além de atender Brasília e Goiás. Desde 2003 passou a integrar o time de companhias lideradas pelo Grupo Guanabara, o mesmo que administra a viação Expresso Guanabara.

Paradiso 1800 DD
O Paradiso 1800 DD com chassi Mercedes-Benz O500 RSD 2436 Euro 5 tem o melhor custo benefício da categoria para viagens de média a longa distância. O modulo é muito potente, porém de baixo custo de operação. Tem capacidade para transportar até 60 passageiros, com oito poltronas semileito, com descansa-pés/pernas no piso superior e doze poltronas leito em couro equipadas com monitor individual para cada passageiro, no piso inferior. O veículo também é equipado com o um moderno sistema de estabilidade e separação de alas por partes deslizantes. Em seu interior há cinto de segurança retrátil, porta-copos e porta-revistas, sistema de ar-condicionado, audiofone, tomadas de energia e entrada USB em todas as poltronas, Wi-Fi (internet sem fio), TV digital, um monitor 23 polegadas e outros três de 15,4″, aparelho de DVD, rádio CD/DVD com entrada USB e três geladeiras.

Viação Garcia supera venda de companhias aéreas em Londrina

viagens aéreasA viação Garcia terá uma difícil missão durante as operações de 2016: manter a liderança na preferência dos embarques realizados em Londrina, contra as empresas aéreas que atuam na região. A crise econômica tem refletido no bolso dos passageiros que moram no interior do Paraná, favorecendo o modal rodoviário, como o da empresa responsável pela operação das principais linhas de transporte rodoviário do Estado. Além do aumento nas vendas das passagens rodoviárias para viagens de curta e média distância, a rodoviária de Londrina também têm recebido mais passageiros nos últimos seis meses. Segundo empresários do setor é uma movimentação positiva desde as operações controladas em 2011. De lá pra cá, a viação Garcia e suas concorrentes tiveram que superar queda no volume de passageiros, com diminuição de embarques em linhas regulares de grande demanda, como as que ligam a cidade até Curitiba e São Paulo.

Feriados Prolongados
Os ônibus levam vantagem durante os feriados prolongados e as datas comemorativas, já que são liberados para ampliarem suas frotas a favor do atendimento a população, em datas especiais. Essa flexibilidade aliada a novas tecnologias tem tornado as viagens de ônibus uma excelente opção em viagens de última hora. Diferente das companhias aéreas que reajustam os valores das passagens na medida em que voos em grande de escala se aproximam.

Mercado Brasileiro
Nos últimos cinco anos, as auto viações tiveram que aprender a lidar com o aumento no poder de compra do consumidor, desfavorável para um modal considerado de uso prioritário das classes C e D. Além disso, os incentivos a compra de automóveis por parte do Governo e os preços acessíveis de várias linhas aéreas, antes inacessíveis para muitos brasileiros, também foi outro aspecto que prejudicou as contas de grandes empresas rodoviárias do Brasil. Com a necessidade e falência de operação por parte de vários grupos, a fusão e extinção de nomes conhecidos no setor passou a ser manobra corriqueira no país. Apesar da baixa, várias modernizações e investimentos também vieram a colaborar com os ônibus.